segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

ADEUS, ROBERTO BOLAÑOS DE CHAVEZ E CHAPOLIN!

Esta homenagem a ROBERTO GÓMEZ BOLAÑOS, o nosso saudoso CHAVEZ, nasceu este fim de semana, logo após seu encantamento. Achamos importante colocar na GALERIA DOS MITOS E HERÓIS DO CORDEL ele que encantou gerações com seu humor puro, ingênuo, mas criativo.
O trabalho, em parceria com Klévisson Viana, estará disponível aos leitores durante a Bienal Internacional do Livro do Ceará, a partir do dia 06.

VEJAM ESTROFES DA INTRODUÇÃO:

ADEUS, ROBERTO BOLAÑOS
DE CHAVES E CHAPOLIN!

Rouxinol do Rinaré e Klévisson Viana

Nosso mundo está carente
De inocência e bondade.
No planeta onde as crianças
São cercadas de maldade,
Nessa Terra, com certeza,
Chaves vai deixar saudade!

Quem só vem ao mundo para
Ser arauto da alegria,
Quem faz brotar um sorriso
Onde tem melancolia
Terá de Deus um troféu
Ao desencarnar um dia.

Na luta contra a tristeza
O México tem seu legado
Nos deu Roberto Bolaños,
E também será lembrado
O grande Mário Moreno
Por Cantinflas renomado.

Sendo o riso necessário
Igualmente o oxigênio
Roberto, o grande humorista,
Como criador foi gênio,
E outro com o seu talento
Não nascerá num milênio!

Chaves era uma figura
Do menor desamparado.
O personagem de Gómez,
Pelo qual foi consagrado,
Pra mim mostrava bem mais
Do que o lado engraçado.

Mostrava o cotidiano
De nossa vida real:
O contraste entre os humanos
Nesse mundo desigual,
Entre o riso pontuava
Uma crítica social!

Roberto Gómez, com Chaves,
Alegrava multidões.
Gênio do humor ingênuo
Que transcendeu gerações,
Seu riso será eterno
Sempre em nossos corações!


É mais um ícone do riso
Que este mundo está perdendo.
Com aplauso e muita festa
O céu está recebendo
Ele que nos fez sorrir
Sempre “Sem querer querendo!”

0 comentários:

Postar um comentário